Lara Simielli: Educação e Desigualdade no Brasil (1ª parte)

A pesquisadora Lara Simielli apresentou, recentemente, sua tese de doutorado em Administração Pública na FGV-SP sobre educação e desigualdade no Brasil. “O debate sobre desigualdade e equidade educacional no Brasil tem se concentrado nas desigualdades nas notas e não na desigualdade no acesso aos recursos e processos que impactam estas notas – ou seja, no resultado final e não no processo. Isso é um equívoco.”

Leia, abaixo, a primeira parte da entrevista exclusiva que ela cedeu ao blog do Cepesp.

 

Qual é a contribuição de sua tese para o tema da desigualdade e educação no Brasil?

O debate sobre desigualdade e equidade educacional no Brasil tem se concentrado nas desigualdades nas notas e não na desigualdade no acesso aos recursos e processos que impactam estas notas – ou seja, no resultado final e não no processo.

Eu considero que é necessário avaliar, concomitantemente ao desempenho dos alunos, as condições em que se dá o ensino em nosso país. O foco, assim, continua sendo nos resultados, buscando um padrão mínimo de desempenho a todos os alunos e com dispersão mínima entre as notas; paralelamente a isso, porém, avaliam-se também os recursos e processos presentes no interior das escolas para analisar se há igualdade nas condições iniciais oferecidas a todos os alunos, independentemente de cor/raça, gênero ou nível socioeconômico.

Meu trabalho, assim, busca fazer esta contribuição ao debate ao adotar uma visão mais pluralista sobre o conceito de equidade, avaliando a igualdade de oportunidade dos alunos no acesso a professores qualificados.

O que você entende por “equidade” em sua pesquisa?

Falar sobre equidade em educação não é tarefa fácil, considerando-se o baixo grau de consenso entre os pesquisadores. Nesta tese, uma das minhas preocupações foi em tentar sistematizar o debate, categorizando as definições sobre equidade em três grandes linhas: a) foco no acesso aos recursos e processos: a equidade é entendida como o acesso aos recursos e processos que impactam nos resultados dos alunos; b) foco nos resultados obtidos pelos alunos: a análise da equidade deve estar intrinsecamente ligada aos resultados educacionais; c) abordagem pluralista: a equidade é vista sob um prisma mais abrangente, que engloba os insumos, os processos e os resultados. Há em comum a todas as diferentes visões sobre equidade a atenção aos indivíduos menos favorecidos da sociedade e um relacionamento direto entre equidade e justiça, diferenciando-o do conceito de igualdade.

Minha opção teórica, neste trabalho, está centrada na abordagem pluralista sobre equidade, que avalia como essencial o diagnóstico do acesso, dos recursos e processos, e dos resultados. Dentro da abordagem pluralista adotada, deseja-se que haja a mesma qualidade de recursos e processos para todos os alunos, dentro de um contexto mais amplo de foco no desempenho dos alunos. Não é, portanto, o foco nos recursos e na igualdade de tratamento por si só, mas sim uma perspectiva mais abrangente de equalização de oportunidades a todos com foco no resultado – o foco nos recursos, assim, como parte do processo, mas não como fim.

Quais são as principais conclusões da sua pesquisa?

As quatro principais conclusões do meu trabalho são:

O nível socioeconômico é a característica mais importante na determinação das oportunidades educacionais: dentre as características dos alunos (gênero, cor/raça e nível socioeconômico), a variável relativa ao nível socioeconômico mostrou-se a mais relevante nas análises para determinar a probabilidade dos alunos terem professores mais qualificados.

Estados brasileiros apresentam grande heterogeneidade na qualificação e distribuição docente, com as regiões Sul e Sudeste garantindo maior oportunidade aos alunos terem professores qualificados.

As tendências de desempenho do 5º e 9º anos são semelhantes e apresentam três padrões de evolução para as oportunidades educacionais: as análises revelaram tendências semelhantes de desempenho para o 5º e 9º anos, de 2001 a 2011, com a identificação de três padrões de evolução para as oportunidades educacionais.

O impacto das características dos professores sobre a proficiência dos alunos mudou de 2001 a 2011: as políticas públicas recentes incentivaram fortemente a escolarização dos professores. Com a progressiva equalização da qualificação dos professores, é esperado que o impacto sobre o desempenho dos alunos diminua. Um corpo docente mais homogêneo, com ensino superior e pós-graduação, assim, passa a diferenciar-se em razão das atitudes adotadas em sala-de-aula e de outras características não-observáveis.

Quais são as principais recomendações do seu trabalho em termos de políticas públicas?

Neste trabalho, verifica-se que crianças mais pobres, que moram na zona rural, em estados do Norte e Nordeste, têm menor probabilidade de ter um professor com maior escolaridade e que faça uma maior cobertura do currículo, apesar das melhorias verificadas nos últimos dez anos.

A desigualdade regional no país é enorme. Por conta disso, precisamos direcionar os investimentos para as áreas que mais precisam, levando em consideração as diferenças regionais e os contextos locais.

Para isso, três políticas são centrais na busca por um sistema educacional mais equitativo:

  1. a definição de padrões mínimos de recursos e processos: estabelecimento de padrões mínimos, abaixo dos quais nenhuma escola deveria estar;
  2. a adoção de políticas compensatórias e da discriminação positiva na distribuição dos recursos: diretamente relacionado ao estabelecimento de padrões mínimos, é necessário que haja uma alocação desigual de recursos educacionais, direcionando mais recursos para as áreas mais vulneráveis. Neste sentido, mais do que a igualdade na alocação de recursos, é necessário que haja uma política compensatória, privilegiando as áreas mais vulneráveis;
  3. o investimento nos professores: dado que os professores são o elemento central para uma educação de qualidade, eles devem receber atenção prioritária no desenho de políticas públicas. São três as medidas centrais para o investimento na política docente: política de formação de professores; política de distribuição dos professores; e o desenvolvimento de melhores medidas para avaliação de professores, com foco nas características não-observáveis.

Estas práticas precisam ser adotadas dentro de uma perspectiva que insira a equidade no debate educacional no Brasil. É necessário, assim, colocar esta perspectiva no centro do planejamento de políticas públicas educacionais, com foco nas camadas menos favorecidas e mais vulneráveis da população, ultrapassando as desigualdades de gênero, cor/raça e nível socioeconômico.

Anúncios


Categorias:Assuntos Contemporâneos

1 resposta

  1. Parabéns Lara!!!! De fato a desigualdade social e educacional no país é gritante!!!… Inclusive em muitas cidades do estado de São Paulo , o melhor estado do país!!!… não há interesse que os brasileiros sejam de fato instruídos… Assim sendo,com mais facilidade serão manipulados…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: