Octavio Amorim Neto: paciência para os manifestantes

Em entrevista para a Folha de S. Paulo, o cientista político Octavio Amorim Neto (professor da FGV-RJ e pesquisador associado do Cepesp) comenta o quadro atual da política brasileira. Afirma que a corrupção na Petrobras é particularmente danosa para o PT, pois trata-se de uma empresa identificada com o desenvolvimentismo defendido pela presidente Dilma Rousseff. Amorim Neto também diz que os cidadãos contrários ao governo que têm saído às ruas e varandas são, em sua maioria, de direita – e que eles devem ter paciência para tirar o PT do poder, pois não há razão jurídica para impeachment e o Brasil não é parlamentarista. Veja a íntegra abaixo!

***

O que muda na coalizão com a entrega da articulação política ao PMDB?

O começo do segundo governo foi caótico e frustrante para quem votou em Dilma. A articulação política dos cem primeiros dias foi um desastre.

A nomeação de Temer é uma grande mudança. Ela delegou a economia ao Joaquim Levy e delegou a articulação política ao PMDB. Dilma foi obrigada a fazer uma mudança radical em relação ao primeiro mandato, quando era uma presidente concentradora, que decidia unilateralmente e consultava muito pouco os aliados.

O que a obrigou a mudar?

A visão do precipício.

Como fica a presidente?

Acredito que agora ela vá se concentrar nos programas sociais, que são a marca eleitoral do partido. Dilma e o PT estão dando um passo atrás para tentar dar dois à frente mais adiante. A expectativa deles é que a economia volte a crescer em 2017 para que o partido continue a ser competitivo no ano seguinte. A eleição de 2018 será interessante, porque tudo indica que estamos chegando ao fim de um ciclo econômico e político.

É o fim do ciclo do PT?

O PT tem que começar a se preparar para perder em 2018. Não descarto uma vitória de um candidato do partido, possivelmente Lula, mas o realismo indica que vai ser muito difícil. Já foi no ano passado. Não é do estilo do PT reconhecer essas fraquezas de público, mas a questão é como perder. O partido precisa se preparar para o futuro, pensando em 2022.

Lula pode desistir de 2018?

Ele tem uma imagem e um nome na história a preservar. Não vai concorrer se sentir que pode sofrer uma derrota fragorosa, humilhante. Lula é muito pragmático. Se as chances forem muito baixas, não vai [concorrer]. Se ele vir que não tem condição de ganhar, é melhor pensar no futuro e lançar outro nome, a ser preparado para 2022. Isso será muito difícil, porque o PT não tem mais grandes nomes e tem que começar a firmar um nome para o pós-Lula e Dilma. É uma questão de preservação do partido. Sem isso, ele pode virar um PMDB, que é um grande partido, mas não tem nomes viáveis para a Presidência.

O PT governa o país desde 2003. Como se comportará se tiver que deixar o poder?

Não sei se será bom, nem para o PT nem para a democracia, um quinto mandato presidencial. O partido precisa lamber suas feridas, se revitalizar e redescobrir suas raízes. O exercício do poder torna conservadora qualquer organização política, e essa não é a vocação do PT. Muita gente quer a eliminação do partido, mas é fundamental que ele sobreviva. Se o PT for eliminado, vai abrir um flanco enorme para aventuras populistas, para o surgimento de um salvador da pátria. O partido cometeu erros calamitosos, inaceitáveis, mas isso não quer dizer que tenha que acabar.

Em outros países em crise, como Grécia e Espanha, as manifestações geraram novos partidos de esquerda. Por que não aconteceu no Brasil?

As últimas manifestações não estão à esquerda, estão à direita. Além disso, é difícil sair um Podemos [nova sigla espanhola] porque uma marca das manifestações aqui é a aversão aos partidos em geral. Não é à toa que o PSDB também tem dificuldade de se aproximar.

Como avalia o petrolão?

É uma bomba que vai explodir lentamente, com efeitos muito duros para o PT. A Petrobras é símbolo do nacionalismo, da soberania nacional e da capacidade do Estado de induzir o desenvolvimento. Qualquer escândalo poderia acontecer numa gestão petista, menos esse.

O que acha da ofensiva de parte da oposição por um processo de impeachment?

Concordo com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso: não há base jurídica nenhuma para se abrir um processo de destituição da presidente. Alguns líderes querem se aproveitar do fato de que parte do eleitorado defende o impeachment sem saber bem o que ele significa.

É fundamental informar à população que o regime é presidencial, com mandato fixo. A permanência da presidente no Planalto independe do seu desempenho. Essa é uma das virtudes e um dos vícios do presidencialismo. Se a presidente vai mal, a única solução possível é ter paciência.

Anúncios


Categorias:Assuntos Contemporâneos, Cepesp na Mídia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: