Quem são e como operam cabos eleitorais

Partidos políticos no Brasil não conseguem estabelecer uma imagem (que funcionaria como atalho informacional para o voto) junto a seus eleitores. Tampouco conseguem policiar o comportamento individual de seus membros. Assim, a eleição de deputados federais torna-se uma competição sobre quem angaria mais recursos e consegue contratar o maior número de políticos locais – os prefeitos. Mas limitações neste “mercado” contribuem para diminuir os ganhos do toma-lá-dá-cá e podem estabilizar laços partidários locais, estimulando a cooperação intrapartidária.

Essas são as principais conclusões do texto “Promiscuous politicians and the problem of party bulding” (Políticos promíscuos e construção partidária) apresentado por Lucas M. Novaes, doutorando em Ciência Política na UC Berkeley, em seminário no Cepesp.

Espere um pouco. “Contratar políticos locais”? Sim. Prefeitos são usados como cabos eleitorais pelos candidatos à Câmara dos Deputados. O valor de um prefeito no mercado político varia de acordo com quantos votos ele consegue trazer para o candidato a deputado.

Como Lucas conseguiu dados sobre essa prática que é, de acordo com algumas interpretações jurídicas, criminosa? “Entrei em contato com um político e, na confiança, ele me mostrou uma planilha semelhante. Ele não via aquilo como uma coisa vergonhosa, pois todos os deputados fazem o mesmo”, disse Lucas em entrevista ao blog. A planilha tem o nome do cabo eleitoral do deputado, quantos votos o cabo prometeu para o parlamentar e quanto o deputado prometeu pagar por esses votos.

Todo deputado federal tem um problema. Ele tem que, de alguma maneira, alcançar muitos eleitores. Todos esses têm que ter algum contato pessoal com esse deputado. Para multiplicar sua rede de apoio, o parlamentar contrata cabos eleitorais.

Mas como esses cabos mostram que conseguem garantir votos? “Os trabalhos acadêmicos até agora dizem que ele leva pessoas a comícios e isso mostra seu potencial politico”, afirma Lucas. Mas uso algo mais simples para medir isso: vejo se os políticos incluem cabos eleitorais nos partidos como prefeitos ou vereadores. O resultado desses cabos na disputa eleitoral é uma maneira muito clara de mostrar a capacidade política desse sujeito! Aí ele ganha mais poder de barganha para negociar um preço mais alto por seu trabalho como cabo”.

Assista a primeira, segunda e terceira partes da apresentação de Lucas no canal do Cepesp no youtube.com.

Anúncios


Categorias:Eleições, Seminários

6 respostas

Trackbacks

  1. Quão provável é o impeachment de Dilma Rousseff? | Sérgio Praça | VEJA.com
  2. Quão provável é o impeachment de Dilma Rousseff? | Flávio Chaves
  3. Eleições municipais enfraquecem o impeachment | Sérgio Praça | VEJA.com
  4. Eleições municipais enfraquecem o impeachment
  5. Migração partidária e impeachment | Sérgio Praça | VEJA.com
  6. Migração partidária e impeachment | Minuto Sergipe

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: