As eleições municipais e 2014

Artigo publicado no jornal O Valor Econômico, em 13 de dezembro.
Por Cláudio Gonçalves Couto

Voltarei aos resultados das eleições municipais para analisar suas potenciais consequências para a política nacional. Claro que os resultados do último pleito municipal não permitem antecipar o desfecho de 2014. Primeiro, porque o eleitorado brasileiro historicamente tem feito escolhas independentes, a depender do nível de governo e da disputa em questão. O eleitor típico, se avalia bem um governo municipal do partido X, tende a votar nele, mesmo que na disputa estadual tenha premiado seu adversário, partido Y e, na eleição presidencial, tenha punido o mesmo partido X ao qual deu seu voto no município, votando em Z (adversário de X e Y).

Ademais, muita água rolará até 2014, afetando não só as preferências dos eleitores, como as estratégias de partidos e lideranças. Assim, se – como preveem os mais críticos à política econômica – o crescimento estancar, sobretudo afetando o emprego, a popularidade da presidenta deverá cair; por outro lado, como apontaram Francisco Lopes e Yoshiaki Nakano em artigos no Valor desta semana, há elementos de retomada negligenciados por muitos. Assim, é possível que a atual maré ruim ceda a um novo impulso que alente a reeleição de Dilma.

Seja como for, os resultados das disputas municipais nos dão um mapa da distribuição do poder dos partidos pelo país, indicando quem é forte ou fraco em cada lugar e quem são os potenciais aliados ou adversários de cada um nos Estados e regiões.

A distribuição de forças e fraquezas sugere as alianças

O destaque do momento é o PSB, que já crescera consideravelmente nas eleições estaduais congressuais de 2010, tendo novo aumento agora. Dos 29 partidos que disputaram as últimas eleições, 26 elegeram ao menos um prefeito; deles, apenas 5 cresceram por três pleitos seguidos (PT, PSB, PV, PSC, PC do B); dentre estes, o maior crescimento foi o dos socialistas. Com isto, não é de estranhar que o nome de Eduardo Campos tenha se fortalecido como possível candidato presidencial em 2014, algo reforçado não só por suas recentes declarações, críticas ao governo, mas também pelos sinais de independência de seu partido em relação ao PT nas últimas eleições. O PSB aliou-se ao PSDB em Curitiba, Belo Horizonte, Belém e Campinas, e enfrentou os petistas em Recife, João Pessoa, São Luiz e Teresina, para citar alguns exemplos.

A dificuldade de Campos, contudo, é o alcance geográfico do PSB, muito restrito ao Nordeste. Enquanto nessa região os socialistas conquistaram 15% das prefeituras, atrás apenas do PMDB (16%), não passaram de 5% no Centro-Oeste e no Sudeste, e apenas 3% no Sul. Já o PT só tem menos de 10% no Centro-Oeste (8%) e o PSDB no Nordeste (7%). O PMDB é o mais capilarizado dos partidos nacionais, liderando em todas as regiões, exceto no Sudeste, onde fica em segundo lugar com 15% dos votos (aí o PSDB tem 20%). Ter prefeituras espalhadas pelos Estados significa possuir uma rede de apoiadores com poder político e administrativo, algo muito relevante na eleição presidencial. Não é à toa que o PMDB, mesmo sem ter candidatos próprios nas últimas quatro eleições, foi a noiva cortejada em todas elas.

Tecer uma aliança nacional requer elidir conflitos regionais. Quanto mais dois partidos competem numa região, mais difícil que a aliança prospere ali; quanto mais se complementam, mais provável a aliança. A competição ou complementariedade no país como um todo podem ser medidas com base na correlação entre o número de prefeituras obtidas pelos partidos em cada estado. Correlações negativas significam que um é forte onde o outro é fraco; correlações positivas significam que ambos têm força igual nos estados. As tabelas abaixo trazem esses dados.

Como era de se esperar, PT e PSDB, que têm polarizado as recentes disputas nacionais e em alguns Estados, apresentam a maior correlação positiva; PMDB e PSD, partidos muito parecidos, vêm a seguir. Assim, é de se esperar que esses partidos sejam competidores país afora, o que tende a dificultar alianças entre eles. Por outro lado, PMDB e PSB apresentam a mais forte correlação negativa dentre todos os partidos, o que indica que eles tendem a se complementar país afora – sugerindo que uma coligação entre ambos poderia ser muito produtiva na eleição presidencial. Mas o PSB também teria bons motivos para se aliar ao PSDB, enquanto o PT teria no PSD um aliado até mais complementar do que o PMDB (embora bem menor).

Ressalve-se que a complementariedade concerne à distribuição geográfica de forças, não a afinidades políticas. Senão, sugerir-se-ia que PT e PSDB se aliassem no Sul – algo impossível. Por outro lado, nota-se que a reconhecida força dos candidatos presidenciais petistas no Nordeste em muito se beneficia da aliança com o PSB na região – estremecida agora. Num cenário de piora econômica, a falta desse apoio não seria nada desprezível; na dúvida, o PT deve se cuidar para manter o PMDB por perto.

Cláudio Gonçalves Couto é cientista político, professor da FGV-SP e colunista convidado do “Valor”. César Felício volta a escrever em janeiro

Anúncios


Categorias:Cepesp na Mídia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: