Avelino e Biderman: Como prefeitos influenciam a eleição para deputado federal

No segundo capítulo da entrevista ao GV Pesquisa com George Avelino e Ciro Biderman, os pesquisadores do Cepesp explicam como a eleição para prefeitos influencia a votação para deputado federal.

O artigo em debate, “Articulações Intrapartidárias e Desempenho Eleitoral no Brasil“, de autoria de Avelino, Biderman e Leonardo S. Barone, concluiu que, quando um determinado partido consegue eleger um prefeito, essa legenda adquire uma vantagem de cerca de 20% na eleição para deputado federal dois anos depois.

A pesquisa foi desenvolvida no ciclo de 2008 e 2010, quando a Lei de Fidelidade Partidária já estava em vigor.  Por isso, os pesquisadores querem estender a observação até as eleições de 1996, a fim de avaliar se esse é um comportamento constante na dinâmica eleitoral brasileira e não apenas influenciado pela lei de fidelidade.

O trabalho mostrou ainda que a vantagem obtida na eleição de um prefeito é significativa apenas nos votos para deputado federal, mas não impacta significativamente na escolha de deputado estadual. “Isso foi surpreendente para nós”, admite Avelino. “A nossa explicação para isso foi que  municípios de pequeno porte têm pouca arrecadação via IPTU e outros impostos, portanto, dependem muito de transferência de recursos dos governos estadual e federal”.

Como o governo estadual tem pouco dinheiro para esse repasse, além das transferências constitucionais já previstas em lei, as cidades pequenas dependem dos programas e recursos do nível federal. “O deputado federal é esse elemento de conexão entre o município e o governo”, diz Avelino. “Isso significa que a conexão local não é mais entre o governador e o prefeito, mas entre o prefeito e o presidente. Essa constatação dá uma cara nova para a nossa federação”.

Uma das razões para esse fenômeno é que, diante de uma quantidade muito grande de candidatos a deputado federal, o prefeito serve como um filtro para o eleitor. Ele geralmente é uma figura de autoridade, confiança e influência no município, podendo atuar como um importante cabo eleitoral para os deputados. A credibilidade de um prefeito é obtida pela interação diária com  os eleitores. Enquanto a autoridade local mais importante do partido, ele é crucial para viabilizar a eleição de um parlamentar no sistema de lista aberta, que permite aos partidos lançarem um grande número de candidatos.

O objetivo da pesquisa foi evidenciar como essas relações intrapartidárias possibilitam ao prefeito transferir votos para os candidatos de cargos legislativos. Ficou demonstrado também que os partidos brasileiros têm uma capacidade de organização bem maior do que se imagina. Eles conseguem organizar seus prefeitos de forma que privilegiem os deputados do seu partido. Mas alguns partidos conseguem fazer isso de maneira bem mais eficiente que outros.

“O PMDB tem, sistematicamente, em torno de 1200 prefeitos e, em geral, em cidades pequenas”, nota Ciro Biderman. “Essa capilaridade do PMDB é fundamental para a força do partido na bancada federal”. Por outro lado, completa Avelino,”alguns partidos estão se desorganizando. Não se fala tanto do DEM, por exemplo. Pode ser que os prefeitos desta legenda não sejam eficientes em puxar votos para seus deputados”.

Para entender mais sobre a pesquisa, leia post anterior sobre esse artigo.

Anúncios


Categorias:Eleições

1 resposta

Trackbacks

  1. Blog do CEPESP/FGV | Blog do Salto

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: